Ao longo de seus 74 anos, que serão comemorados em 9 de julho de 2016, o Banco da Amazônia tem exercido um papel fundamental no país por ser a principal Instituição Financeira da região e executora das políticas públicas do Governo Federal para o desenvolvimento sustentável da Amazônia.

 

No decorrer desse período, contribuímos com ações que elevam a Amazônia a patamares cada vez mais destacados no cenário nacional, além de colaborarmos para a diminuição das desigualdades regionais e para a melhoria da qualidade de vida da população que aqui vive.

 

Nesse contexto é que, ao longo desse período, nos tornamos uma das instituições que mais realizam investimentos na área cultural da região, contribuindo para a democratização do acesso aos bens culturais, materiais e imateriais amazônicos, possibilitando que inúmeros projetos se tornem realidade.

 

Para apoiar essas iniciativas, desde 2007 o Banco da Amazônia lança editais públicos e patrocina projetos que aliem o respeito à sustentabilidade – econômica, social ou ambiental – nos nove Estados que constituem a base territorial da Amazônia Legal. Na edição 2016 do Prêmio Banco da Amazônia de Artes Visuais, o projeto ARQUIVO 2.0 – DESMEMÓRIAS FOTOGRÁFICAS, da fotógrafa Flavya Mutran foi selecionado e nos apresenta duas séries  distintas: RASTER e DELETE.use.

 

Levando-nos a criar memórias – em contraposição ao que sugere o nome da exposição –, a artista nos faz lembrar do caráter social das reminiscências, visto que são produzidas na coletividade. Memórias refletem a cultura de um povo, suas realizações, história e identidade, daí o apoio do Banco da Amazônia a esse belo projeto, que merece ser conhecido pelos amazônidas e por todos os apreciadores das artes visuais.

BANCO DA AMAZÔNIA